Alunos do Curso de Odontologia fazem doação de leite em pó à Associação Beija Flor

Foram doadas mais de 400 latas de leite em pó arrecadadas na inscrição para a I Jornada Odontológica Acadêmica (I JOA) doadas pelos próprios alunos do Curso de Odontologia em novembro deste ano.

 

Estudantes do Curso de Odontologia do Centro Universitário Ateneu realizaram no dia 10 de dezembro, na Associação Beija Flor em Fortaleza (CE), a doação de mais de 400 latas de leite em pó arrecadadas na inscrição para a I Jornada Odontológica Acadêmica (I JOA) doadas pelos próprios alunos em novembro deste ano. A ação contou com a presença de estudantes do curso; da coordenadora do Curso de Odontologia, profª Drª Manoela Moraes de Figueiredo; da gerente de negócios da unidade Lagoa de Messejana da UniAteneu, profª Andreia Lourenço; e da assistente social da associação, Eunice Almeida. Na oportunidade, eles aproveitaram para conhecer as instalações da organização e do Centro de Reabilitação de Deformidades Faciais do Ceará (Funface), alguns de seus beneficiários e as ações que são desenvolvidas com as crianças, adolescentes e pessoas adultas atendidas que têm fissura lábio palatina.

Hermano Bezerra, aluno do Curso de Odontologia, participou do ato de entrega das latas de leite em pó. Ele conta que desde quando ocorreu a I JOA já havia o interesse de fazer a arrecadação e realizar a ação beneficente na associação. “Para nós, é um sentimento de dever cumprido, de doação ao próximo, de ajudar e de fazer a nossa parte. Estamos muito felizes em poder ajudar essa associação que faz um importante trabalho voltado para a parcela da população que tem essa deformidade gerada ainda quando o embrião está sendo formado. São pessoas que precisam muito mais do que de uma ajuda, mas de um acompanhamento social e humano”, afirmou Hermano Bezerrra. Além do atendimento técnico, a associação oferece um acompanhamento multidisciplinar, porque são pessoas que geralmente sentem dificuldade de inserção na sociedade. “Estamos hoje aqui como instituição e como aluno dando a nossa parcela de contribuição”, complementou.

“A UniAteneu tem uma visão muito humanitária. Então, regado a isso, o Curso de Odontologia fez a sua I Jornada Odontológica Acadêmica e pensamos que poderíamos ajudar uma comunidade carente e que tivesse um atendimento odontológico. Foi então que pensamos na Associação Beija Flor, uma organização da sociedade civil e filantrópica que vive de doações. Entendemos que poderíamos agregar muito tanto em relação à ação social em si e ao conhecimento que seria adquirido pelos alunos, como também ajudar com as doações de latas de leite em pó. A partir de agora, faremos muitas outras ações em parceria com a própria instituição”, contextualizou a coordenadora. Segundo ela, como a associação depende de ajuda para se manter, casou bem com a ideia da coordenação de arrecadar latas de leite em pó, colaborando assim para suprir as necessidades do público infantojuvenil atendido e as suas respectivas famílias.

Ana Cristina é mãe de dois meninos gêmeos de 10 anos beneficiários que tem lábio leporino e fenda palatina. Ela é agradecida à Associação Beija Flor por conceder toda a assistência necessária aos seus filhos e a considera como uma “mãe acolhedora”. “A instituição acolhe as crianças e aqui os nossos filhos não sofrem acepção por terem a deformidade, até porque os profissionais que nos atendem também são fissurados. E além de a associação nos acolher, ela nos ajuda materialmente custeando o tratamento, porque nós não temos condições de pagar”, relatou Ana Cristina. Sobre a doação de latas de leite em pó entregues por alunos do Curso de Odontologia da UniAteneu, ela considerou uma ação relevante e louvável, sobretudo, porque a associação se mantém através de doações e atitudes como essas colaboram para que a instituição se mantenha firme na sua missão.

“Receber as doações da UniAteneu foi muito gratificante porque atendemos, na grande maioria, pessoas necessitadas e que vivem em uma situação de vulnerabilidade social muito grande, e elas precisam da ajuda da sociedade civil com as doações. Então, nós sentimos a necessidade de termos um olhar mais profundo e cuidadoso para ver o que essas pessoas carregam no cotidiano de suas vidas, porque nem todas vão vir só com o problema da fissura, mas também com um problema psicológico, de evasão escolar porque se sentem desestimuladas por sofrem bullying na escola entre outras situações e nós tentamos atender e dar os devidos encaminhamentos da melhor forma possível”, disse a assistente social Eunice Almeida. Para isso, a Associação Beija Flor conta com um atendimento multiprofissional e interdisciplinar, envolvendo dentistas, psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas e assistentes sociais.

Publicada: 12/12/2019 às 14h53min